A Fertilizare nasceu com a proposta de ser um centro de referência em medicina reprodutiva na região Sul Fluminense. Conta com equipe qualificada e tecnologia de última geração para oferecer um leque completo de opções para o tratamento da infertilidade.

(24) 99246-4951

atendimento@fertilizare.com.br
Shopping 33 Torre VI - Rua 41, 392, Salas 1201 a 1204 - Vila Santa Cecília, Volta Redonda

Novidades no Blog

Seg. a - Sex. 09h - 18h

Sáb. e Dom. - FECHADO

(24) 99246-4951

WhatsApp

Reverter laqueadura é possível?

Reverter laqueadura é possível?

Por se tratar de um procedimento ainda bastante comum no Brasil, muitas dúvidas pairam sobre a laqueadura das trompas uterinas. Considerado um dos métodos invasivos e definitivos mais seguros que existe, as possibilidades de ocorrer uma gravidez após a cirurgia são muito reduzidas, de aproximadamente de 0,99%.

A laqueadura das trompas de Falópio ou das tubas uterinas é um procedimento cirúrgico que tem por objetivo impedir a passagem do óvulo para dentro do útero e também para que os espermatozoides não tenham passagem pela trompa, não encontrando o óvulo e impedindo a fecundação. A grande curiosidade da maioria das mulheres é quanto à possibilidade de religarem as trompas novamente (e poderem engravidar).

Existem atualmente várias técnicas de laqueadura. Seja por simples ligadura, só realizando uma amarração da trompa; por corte, quando se retira um pedaço da trompa deixando dois cotos amarrados em separado; ou por grampeamento, através de anel ou clipes. Todas têm a finalidade de interromper em definitivo a passagem pelas trompas uterinas.

Em geral, a mais comum das técnicas é a que retira um pequeno pedaço da trompa, no meio dela e próximo ao útero, dando em cada coto um ponto de cada lado para ter certeza de que o trânsito na trompa foi totalmente interrompido. De acordo com a técnica realizada é que se definirá se é possível ou não fazer a religação, ou anastomose dos cotos remanescentes das trompas, para permitir a passagem dos espermatozoides e do óvulo para garantir a fecundação.

A salpingoplastia – reversão da laqueadura – é um procedimento complexo e poucos serviços do SUS o oferecem. Pode ser realizada por anastomose tubária microcirúrgica, via laparotomia ou via laparoscópica. Quanto mais jovem a mulher esterilizada procurar pela reversão, maior é a probabilidade de que ela venha a engravidar no futuro. Quanto menor o tempo de esterilidade, maior é a chance de se engravidar novamente.

A possibilidade de engravidar, entretanto, reduz de forma significativa. O problema é que essa reversão nem sempre tem bons resultados porque, na maioria das vezes, não se consegue novamente a permeabilidade tubária e, mesmo conseguindo a reversão dessa permeabilidade, pode não se chegar à gravidez. Sendo assim, na maioria dos casos, é necessário realizar um tratamento complementar para engravidar ou inseminação artificial.

O grau de reversibilidade varia de acordo com a lesão que a técnica cirúrgica causou. Assim, laqueaduras feitas com anel plástico ou clipes de titânio são mais fáceis de reverter. O mesmo vale quando retirada uma porção no meio da trompa – existe a possibilidade na microcirurgia da trompa ser funcional e ter o êxito de engravidar. Já para as pacientes que foram submetidas à salpingectomia total (retirada das trompas), a reversão é impossível.

Após a reversão tubária, em média, as mulheres demoram de seis meses a um ano para conseguirem engravidar, se a recanalização for bem sucedida, mas o sucesso da cirurgia relaciona-se com vários outros fatores, tais como o comprimento e a vitalidade dos segmentos de trompas a serem unidos; a habilidade do microcirurgião; a idade da mulher no momento da cirurgia para reversão; o método utilizado para laqueadura tubária; a quantidade de tecido de cicatrização na região da cirurgia; a qualidade do espermograma do parceiro; a presença de outros fatores de infertilidade.

Quando as trompas reconstituídas não recuperam sua função reprodutiva é possível recorrer ainda à fertilização in vitro ou à transferência de embriões. A reversão da laqueadura tubária ou trompas uterinas deve ser considerada como uma opção adequada na busca de novas gestações para mulheres mais jovens (menores de 35 anos), sem qualquer outro fator de infertilidade além da laqueadura. As pacientes com mau prognóstico ou com idade mais avançada devem ser encaminhadas aos programas de fertilização in vitro.

O melhor a se fazer é a fertilização assistida, pois não há necessidade da trompa, o que ocorre é a coleta dos óvulos do ovário da paciente para colocar junto aos espermatozoides em laboratório e realizar a fertilização in vitro – com a possibilidade de seleção dos melhores espermatozoides através de um procedimento chamado de Super ICSI.

Se escolhe o óvulo e o espermatozóide para aumentar as chances de gravidez. A partir daí, esse embrião feito em laboratório é transferido para o útero da paciente sem a necessidade da trompa. Seguramente, as taxas de sucesso na gravidez por meio da fertilização in vitro são bem maiores do que as com reversão de laqueadura tubária.

Por tudo aqui explanado, é muito importante que seja feito um Planejamento Familiar responsável quanto à escolha do método contraceptivo ideal e quando se toma a decisão por um método definitivo, que seja de forma bem consciente para evitar-se o arrependimento e as possíveis dificuldades de uma cirurgia de reversão.

Tomas Patricio Swith Howard é ginecologista e obstetra do Hospital Nardini de Mauá

Fonte: Repórter Diário

Fertilizare

A Fertilizare nasceu com a proposta de ser um centro de referência em medicina reprodutiva na região Sul Fluminense. Conta com equipe qualificada e tecnologia de última geração para oferecer um leque completo de opções para o tratamento da infertilidade.

8 Comentários
  • Lorivane
    3 de maio de 2018 at 21:31

    Quero saber como posso fazer para entrar em contato com vcs pois fiz laqueadura e quero fazer inseminação

    • Ivan Montenegro
      7 de maio de 2018 at 11:01

      Olá Lorivana
      Obrigado pelo seu contato!
      O nosso telefone está disponível aqui em nosso site e estamos esperando o seu agendamento para te atender.
      No seu caso, que fez uma laqueadura, não será possível fazer uma inseminação.
      Você poderá escolher entre reverter a sua laqueadura ou fazer um fertilização in vitro, dependendo de suas condições clínicas.
      Espero ter ajudado.
      Atenciosamente,

  • valdineide morais gomes
    18 de outubro de 2018 at 21:42

    dr.boa.noite.mi.chamo.valdineide.eu.fia.a.minha.laquiadura.a.3.anos.e.mi.arrependir.a.minha.trompas.foram.cortadas.e.amarradas.e.possivel.reverter.?ha.dr.eu.gostaria.de.saber.se.quem.tem.arritmia.e.taquicardia.pode.fazer.essa.cirugia.de.reversao.de.laqueadura

    • Ivan Montenegro
      12 de novembro de 2018 at 08:34

      Olá Valdirene!
      Obrigado pelo seu contato!
      A cirurgia de reversão é possível, pelo que você está nos contando.
      Além disso, antes da cirurgia, você deve passar por uma avaliação pré-operatório para saber se você tem condições clínicas de se submeter a uma cirurgia.
      Atenciosamente,
      Dr. Ivan

  • Ivonete oliveira
    9 de abril de 2019 at 23:18

    Há 13 tive meu terceiro filho.cesaria o médico na hora d cirurgia falou q iria me laquiar.foi derrepente não fiz planejamento me arrependi até hoje.agora me casei e meu marido não tem filhos eu consigo reverter.a laqueadura ja estou com 41 anos

    • Ivan Montenegro
      22 de abril de 2019 at 12:39

      Olá Ivonete
      Obrigado pelo seu contato!
      É possível reverter a laqueadura, sim.
      Mas para isso, é necessário uma avaliação prévia, de preferência com algum médico especialista em Reprodução Assistida.
      É necessário termos, antes da reversão da laqueadura, um exame de espermograma do seu companheiro e uma avaliação de qual método cirúrgico foi utilizado para a sua laqueadura!
      Estamos a disposição par te ajudar.
      Atenciosamente,

  • gabriela oliveira
    25 de julho de 2019 at 14:33

    boa tarde Dr. me chamo gabriela tenho 24 anos,minha ginecologista me disse que terei que fazer uma cirurgia para retirada das tombas pois em uma ultrassom monstros que estou com hidrossalpinge, qual são as chances de eu engravidar com uma inseminação .

    • Ivan Montenegro
      30 de julho de 2019 at 22:23

      Olá Gabriela e obrigado pelo seu contato!
      Quando temos diagnóstico de hidrossalpinge, por ultrassonografia, significa que as trompas estão muito danificadas e que a possibilidade gestação, por métodos mais naturais, torna-se bem mais difícil.
      Neste caso a inseminação intra-uterina também não é o tratamento mais indicado, pois para ser bem sucedido, necessita de trompas funcionando normalmente e sem danos. Assim, para essa situação, o procedimento mais indicado é a fertilização in-vitro.
      Para melhorar os resultados desse tratamento, geralmente indicamos a retirada cirúrgica da trompa doente, já que o líquido acumulado em seu interior, que contém muitos radicais livres tóxicos para os embriões, pode retornar ao útero e atrapalhar o processo de implantação embrionária.
      Espero ter respondido a sua dúvida.
      Atenciosamente,

Deixe seu comentário

×
× Fale conosco pelo Whatsapp